caminhante

o monstro forjado por todos os desejos de consumo não consumados, engolindo e vomitando lixo nas ruas, abrindo caminho imponente com seus ridículos chifres de saltos de sapato.

Anúncios

primavera

querida,

ontem, aquele desgaste, foi uma volta por cima.
estou apenas esperando para dar o pulo (modéstia à parte) da gata.
estaremos (sem saber) juntas nessa.
chame de Providência se quiser.
corou minha face e pincelou essa covinha (do lado esquerdo) que completa o seu sorriso.

saudades.

casamento

Há mulheres que dizem:
Meu marido, se quiser pescar, pesque,
mas que limpe os peixes.
Eu não. A qualquer hora da noite me levanto,
ajudo a escamar, abrir, retalhar e salgar.
É tão bom, só a gente sozinhos na cozinha,
de vez em quando os cotovelos se esbarram,
ele fala coisas como “este foi difícil”
“prateou no ar dando rabanadas”
e faz o gesto com a mão.
O silêncio de quando nos vimos a primeira vez
atravessa a cozinha como um rio profundo.
Por fim, os peixes na travessa,
vamos dormir.
Coisas prateadas espocam:
somos noivo e noiva.

adélia prado