25 de fevereiro de 2005

por motivos que expliquei ou tentei explicar em um post anterior, resolvi trazer os textos antigos pra cá, deixar tudo juntinho, encarar a vergonha, contemplar o passado que nunca deixa, ele também, de viver aqui e agora. vou buscar um, ou mais por dia, e trazer quando houver correspondência de datas: dia e/ou mês. esse será o meu pretexto e a minha brincadeira. 😉

o nosso último beijo foi igual ao primeiro

É nessa solidão interna que mora a sua companhia. São inúmeras situações em que estou só, em que estou com você, em que estou dupla de mim. Dupla de mim sou o esforço da razão em barrar qualquer fluxo da fantasia:
Nas sua doçura não ler amor, mas fragilidade.
Na sua procura não ler saudade, mas momentâneo e recorrente tédio do cotidiano.
No teu desejo só ler desejo.
Na tua confusão ler a força das tuas escolhas vencendo.
As escolhas são enxurradas.
Nossa última conversa não parecia uma última conversa. Mas foi.
Nosso último beijo não foi igual ao primeiro. Isso fui eu que imaginei.

posted by tereza @ 16:12